3 de fevereiro de 2018

Um Conto de Duas Caixas, Éticas Sexuais em Contraste

Tradução do artigo "A Tale of Two Boxes, Contrasting Sexual Ethics", no blogue Love, Joy, Feminism, de Libby Anne. Trata-se de uma autora com muito público, do canal não religioso (ateu) do portal de discussões sobre religião Patheos. Educada numa família fundamentalista cristã, Libby Anne foca-se habitualmente no seu percurso de deconversão e discute problemas enfrentados por quem fez o mesmo caminho.

Imaginemos que todos têm duas caixas, uma na qual colocam todos os actos sexuais que acreditam serem errados, e o outro em que colocam todos os actos sexuais que acreditam estarem certos.

Não só os conservadores e os progressistas dividem os actos diferentemente entre as duas caixas, mas também rotulam as duas caixas de maneira diferente.

(Já discuti esta ilustração em postagens sobre retórica política sobre casamentos homossexuais e visões evangélicas sobre violação, mas queria publicar este assunto isolado para aqueles que talvez desejassem hiperligar aqui).

Ética sexual conservadora e progressista
Poderíamos adicionar caixas para a visão católica, que, em vez de simplesmente se basear no que Deus ordena ou proíbe diretamente, baseia-se na "Lei Natural" e sustenta que o sexo deve ser procriativo e unitivo (assim, o sexo conjugal usando controle de natalidade iria para a caixa caixa "proibido" porque separa o sexo do seu propósito procriativo e a violação entraria na caixa "proibido" porque não é unitiva).

Além disso, membros de escolas de pensamento religiosas progressistas podem subdividir a caixa "consensual" no que é permitido ou não permitido pelas suas crenças religiosas. De muitas formas então, a ilustração acima serve como ponto de partida para a discussão, não como fim.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Comente, mesmo que não concorde. Gosto de palmadas nas costas, mas gosto mais ainda de polémica. Comentários ofensivos ou indiscretos podem vir a ter de ser apagados, mas só em casos extremos.